Sargento de 37 anos passa pela Covid-19 e relata tratatamento na UTI Domed no HFA, em Brasília

Tempo de leitura: 2 minutos

A última semana foi marcada pela esperança real de uma vacina para a prevenção da Covid-19. Mas, enquanto o medicamento não chega à população, tomar todos os cuidados com distanciamento social e higiene ainda é o único recurso para não se contaminar.

Aos 37 anos, o sargento do Exército Alisson Paniágua foi acometido pela doença. Ele ficou hospitalizado no HFA, em Brasília (DF) durante 32 dias. Nesse período, passou 24 dias na UTI Domed e 16 dias em coma, em estado grave.

O período de internação não foi nada fácil. O quadro foi agravado ainda por uma embolia pulmonar, de modo que o paranaense, morador de Taguatinga Norte, no Distrito Federal, teve de ser traqueostomizado. Uma sepse complicou a situação. O paciente chegou a perder 19kg.

Camila Paniágua, esposa de Alisson, conta que ele não esperava ser acometido pela Covid-19. “A doença pegou a todos de surpresa, e ficamos apavorados. E a piora foi rápida, com embolia”, recorda. Ela conta ainda que o marido estava consciente quando foi sedado e intubado.

Camila conta, no entanto, que o tratamento foi o que fez a diferença. “É uma equipe maravilhosa”, destaca. Ela relata que soube da intubação um dia antes, por meio de um telefonema do médico. E que foram realizadas videochamadas antes e depois do procedimento, inclusive no próprio dia em que o sargento passou a respirar por aparelhos. “Foi tudo muito rápido. Internação e piora, mas também a melhora, e foi uma alta maravilhosa”, completa. E ela diz mais:

Nos momentos em que o Alisson esteve extremamente grave tudo o que a equipe falava só nos fortaleceu. A equipe estava toda empenhada, dando o melhor. Eu tinha todas as informações. Agradeço a Deus e a todo o time.”

Camila também teve covid-19, e o diagnóstico saiu uma semana depois do marido. No entanto, ela só teve sintomas leves, como falta de olfato.

Alisson e Camila são pais de Cauã, de 16 anos. O sargento gravou um recado para a equipe que cuidou dele:

Quero viver. Depois que a gente passa por esse momento, passa a dar mais valor à vida. Eu só tenho a agradecer em primeiro lugar a Deus e a minha família. E quero agradecer, em especial, aos profissionais da UTI Domed do HFA, por todo o cuidado, todo o carinho que tiveram comigo e com a minha família. A todo o momento sempre trataram a minha família muito bem. Agradeço por tudo, agradeço pelo que vocês fizeram.”

No momento da alta hospitalar, Paniágua ainda estava com 75% do pulmão comprometido. As sessões de fisioterapia foram fundamentais para que ele recobrasse a capacidade pulmonar. “Agora ele está ótimo”, finalizou Camila.

A toda a equipe, ficam as congratulações da Domed e AMH. A Alisson e Camila, o agradecimento pela confiança depositada.

Confira o vídeo gravado por Alisson para a equipe UTI Domed HFA:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *