UTI do Hospital Dona Regina celebra Mês da Prematuridade com ação para mães e filhos

Tempo de leitura: 2 minutos

A chegada de um filho é um momento que marca, de modo indelével, a vida da mulher, e de toda a família. Mas pode ocorrer de o bebê chegar antes do esperado. Ou seja, ser um recém-nascido prematuro. Batizado de Novembro Roxo, o Mês da Prematuridade chama a atenção da sociedade a reflexões sobre o tema.

No último Dia Mundial da Prematuridade, 17 de novembro, a UTI Neonatal do Hospital Dona Regina, em Palmas (TO), realizou evento voltado às mães dos pequenos pacientes da unidade. Ao todo, 20 mulheres participaram.

“O mês de novembro é muito importante para a neonatologia. O dia 17 é celebrado mundialmente, e não poderia passar em branco. Por isso fizemos essa mobilização tanto da equipe quanto dos familiares, com o objetivo de mostrar a importância desses cuidados”, explica Gabriella Manso Ribeiro, coordenadora de Assistência da UTI.

O ponto alto do evento foi a realização de fotos dos bebês fantasiados de super-heróis. Os registros foram entregues às mães, como lembrança, oferecida pela AMH Especialidades, empresa que faz a gestão da Unidade.

Mãe de Thiago Miguel, a gerente de cantina escolar Neuza Francisco Pereira, de 32 anos, conta que se sentiu emocionada com a homenagem e valorizada com o evento. “Meu filho ficou 18 dias na UTI, e tivemos um ótimo atendimento, só posso agradecer. Todos os profissionais eram sempre presentes, cuidadosos, com uma comunicação eficiente”, relata. “Eles me auxiliavam com o Thiago, em tudo, até mesmo colocar na incubadora. E agora meu pequeno herói está em casa”, comemora.

O “Lanterna Verde”, Thiago Miguel

Gabriella Manso Ribeiro fala mais sobre o trabalho:

O que queremos despertar nessas mães é a sensação de acolhimento, mostrar que a equipe está junto a elas. Um dos valores que mais trabalhamos na nossa equipe é a empatia. A prematuridade é muito delicada, também para a mãe. Ela não consegue fazer tudo o que gostaria de fazer. Nos primeiros dias da prematuridade extrema não é possível à mãe pegar seu filho no colo. Então, a gente reforça o estar presente durante os cuidados prestados, dá esse suporte e acolhimento, faz encaminhamento integrando a mãe ao banco de leite.”

O trabalho continua. Ao todo, 80 colaboradores serão envolvidos, e constará enfermeiros, médicos, fisioterapeutas, psicólogos, nutricionistas, equipe de serviço social, fonoaudiólogos e outros.

A UTI do hospital Dona Regina tem gestão da Americas Health, e possui 20 leitos. Entre janeiro e outubro de 2021 foram admitidos 300 recém-nascidos. Desses, 177 das admissões são pacientes de baixo e extremo baixo peso, menores que 1,5 kg. Esse número representa um percentual de 59%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *